Telefone/WhatsApp: (84) 99911-9627

Após 35 anos, o Flamengo na semi da Libertadores


Postado em 29 de agosto de 2019 - 7:08h

Foram três chances.

E cara a cara com Marcelo Lomba.

Na primeira, o goleiro fez espetacular defesa.

Na segunda, a bola foi para fora.

Mas na terceira, não houve desperdício.

Gabigol não teve coragem de não estufar as redes coloradas.

Empatar a partida em 1 a 1, já que Rodrigo Lindoso tinha dado esperanças ao time gaúcho.

O gol teve peso de adeus da Libertadores da América para o Internacional, que teria de marcar mais três gols, já que havia perdido por 2 a 0 no Rio de Janeiro.

O golpe, aos 39 minutos do segundo tempo, foi duro demais para alguns torcedores colorados. E eles tentaram invadir o gramado do Beira Rio para protestar. Foram contidos por policiais.

O que interessava para o Flamengo é que a vaga para a semifinal da Libertadores da América foi conseguida com muita personalidade, atitude.

Depois de 35 anos, o clube carioca volta a figurar entre os quatro melhores do principal torneio da América Latina.

Os mais de R$ 200 milhões em contratações valeram.

O adversário do Flamengo será o fortíssimo Grêmio de Renato Gaúcho. Com o primeiro jogo, dia 2 de outubro, em Porto Alegre.

E o jogo decisivo para definir qual clube brasileiro estara na final da Libertadores, em Santiago, no Chile, será dia 23 de outubro, no Maracanã.

O Internacional lutou muito com um elenco mais limitado que o rival carioca. Mas a desvantagem de 2 a 0 no Rio foi forte demais. O time de Odair Hellmann até saiu na frente, na base do sufoco, do ataque em blitz.

Lindoso acertou linda cabeçada, depois de cobrança de falta de D’Alessandro.

Com a vantagem insuficiente, o Inter seguiu atacando. Mas sem organização.

O espaço para contragolpe do Flamengo estava escancarado.

E aos 39 minutos, Bruno Henrique deu uma arrancada fulminante e serviu, com capricho, a bola para o gol de Gabigol.

A decisão terminara.

E com justiça, o Flamengo está na semifinal da Libertadores de 2019.

Foi de dar orgulho a força psicológica da equipe para suportar a pressão do Beira-Rio. E sair atrás no placar não perturbou o time carioca. Mérito para Jorge Jesus, mito preso à preparação psicológica do Flamengo.

Nada é por acaso.

Fonte: R7