Telefone/WhatsApp: (84) 99911-9627

São Paulo sensacional. Arrasou o Flamengo de Ceni. 3 a 0


Postado em 19 de novembro de 2020 - 7:57h

Gabigol, Pedro, Rodrigo Caio, Filipe Luís, Isla, Thiago Maia e Diego.

Já Fernando Diniz, não.

Poderia usar todos no elenco do São Paulo.

A partida, no Morumbi.

Com direito a emocionante e proibida aglomeração de milhares de torcedores são-paulinos na entrada do estádio, para passar confiança ao time.

Mas foi o Flamengo quem dominou de forma impressionante o primeiro tempo.

Rogério Ceni tratou de imprensar o São Paulo no seu campo.

Sobrava vontade, sede de vitória.

Faltou talento, criatividade.

Vitinho e, principalmente, Michael, complicavam jogadas fáceis.

Pior para Bruno Henrique, que também se ressentia do melhor de Arrascaeta.

O meia uruguaio não estava bem fisicamente. A ponto de Rogério Ceni o escalar pelo meio, porque não tinha arranque para atuar nos lados do campo.

O Flamengo chegou a ter 68% de posse de bola, mas não conseguiu criar sequer uma chance aguda.

O São Paulo marcava muito bem.

Diniz colocou seu time marcando em duas linhas. Uma, com cinco jogadores, na intermediária. E a última, com quatro atletas. E apenas Luciano na frente. Até mesmo Brenner ajudava a marcar.

O time paulista não incomodou Diego Alves.

O 0 a 0 foi mais do que justo.

Só que veio o segundo tempo.

O Flamengo se preparou para ter mais consciência na frente, na definição das jogadas.

Ceni colocava Everton Ribeiro no lugar do improdutivo Michael.

Diniz prometia o São Paulo mais à frente.

E logo no primeiro minuto, em um erro gravíssimo da zaga, o Flamengo via a esperança desmoronar.

Daniel Alves colocou a bola entre Thuler e Matheuzinho. E Luciano entrou por trás, livre, em posição legal, para dar um toque sutil. Diego Alves não conseguiu defender.

1 a 0 São Paulo.

O gol mexeu com o emocional do time carioca.

Rogério Ceni pediu para seus jogadores irem à frente.

Mas seu time perdeu personalidade, ficou assustado, tendo de marcar dois gols, porque perdeu no Maracanã, por 2 a 1.

Já Diniz via, animado, o São Paulo ter mais espaço. Principalmente pela lateral-esquerda, principal desafogo com Reinaldo.

E foi ele quem levantou a bola para a área aos dez minutos.

Luciano se livrou com facilidade da zaga, e cabeceou para o fundo do gol de Diego Alves.

2 a 0 São Paulo.

Era o caos para o time carioca.

A equipe de Ceni precisava de três gols.

Daniel Alves fazia ótima partida, ganhando o duelo com Gerson, jogador fundamental para a articulação flamenguista.

O Flamengo lutava, mas não conseguia passar pelo fortíssimo sistema defensivo do São Paulo.

Mas conseguiu uma chance, quase ao acaso.

Quando Arão cabeceou e a bola tocou na mão de Brenner.

Pênalti.

Everton Ribeiro queria cobrar.

Mas Vitinho disse que iria bater.

Bateu longe do gol, desperdício, inaceitável.

Aos 18 minutos do segundo tempo, tudo estava definido.

O Flamengo seguiu atacando, mas de forma obrigatória, sem confiança.

Tudo pioraria quando Wilton Pereira não marcou falta de Daniel Alves em Willian Arão. O volante errou o recuo e a bola foi parar em Pablo. Com muita calma, ele marcou 3 a 0, aos 39 minutos.

E vaga na semifinal da Copa do Brasil.

Vitória consagradora do São Paulo.

Agora, o Grêmio pela frente, na semifinal…

Fonte: R7/Cosme Rímoli