Telefone/WhatsApp: (84) 99911-9627

Rede privada no Brasil não terá vacinas contra covid por enquanto


Postado em 3 de dezembro de 2020 - 7:54h

As vacinas contra a covid-19 que obtiverem autorização de uso emergencial no Brasil somente poderão ser utilizadas na rede pública para grupos específicos definidos pelo governo, informou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta quarta-feira (2).

A autorização de uso emergencial mantém as vacinas na condição de “experimental” e é diferente do registro definitivo, que depende de estudos conclusivos mais extensos.

O gerente-geral Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, explica que, por se tratar de produtos que requerem acompanhamento do público vacinado, o uso ficará restrito ao governo.

“Elas [vacinas] só poderão ser destinadas a programas de governo, programas específicos para que se possa, então, ter um controle. Isso não é um registro, é uma autorização de uso emergencial com foco específico em um programa de vacinação.”

Os estudos clínicos de fase 3 têm previsão para durar cerca de dois anos desde a data de início, o que significa que resultados consolidados sobre efeitos eficácia, principalmente, devem ser publicados somente em 2022.

Neste período, se a pandemia continuar no Brasil, é facultada às empresas desenvolvedoras de vacina a possibilidade de solicitar a autorização para uso emergencial.

“Se não tiver uma situação de emergência, não justifica nós não aguardarmos todos os dados, a completude das informações”, observa Mendes.

Na segunda-feira (1º), o Ministério da Saúde apresentou um esboço de como será o programa de imunização contra a covid-19.

A primeira fase será para trabalhadores da saúde, idosos acima de 75 anos, idosos acima de 60 anos que vivem em casas de repouso ou instituições psiquiátricas e indígenas. Em seguida, serão idosos de 60 a 74 anos.

A fase 3 inclui pessoas com comorbidades, como doenças crônicas. Na sequência, professores, trabalhadores de forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e detentos.

Fonte: R7